domingo, 27 de maio de 2012

A história da sobremesa



Nada melhor do que fechar a refeição completa com um docinho e outro dia acabei lendo uma matéria falando sobre a importância da sobremesa e como ela foi incorporada ao nosso cardápio, e não poderia deixar de compartilhar com vocês.


"Um pouco de história
Como toda história tem um começo, vamos a ele, retrocedendo aos banquetes medievais, verdadeiros festivais gastronômicos e que foram as peças iniciais do á-bê-cê do que hoje conhecemos por gastronomia. As comilanças naquela época duravam dias a fio, literalmente. Para dar um descanso entre as baterias de pratos servidos, os convivas (nobres e sua turma) se distraíam com espetáculos de dança, música, teatro e atividades ao ar livre como jogos e caça. À mesa eram dispostas carnes, cereais, ensopados de legumes, pães, tortas, queijos, frutas secas e frescas e mel, entre outros alimentos. Tudo era consumido ao mesmo tempo, ao prazer dos convidados, e muitas vezes comer uma fruta ou um pedaço de queijo após um salgado tinha a função, ainda que empírica, de limpar o paladar e prepará-lo para os pratos seguintes. Tanto que em países como a Itália e a França até hoje comem-se queijos ao fim da refeição, no lugar da sobremesa ou antes dela.
Durante anos os nobres se alimentavam assim, misturando um pouco de tudo. Mas foi a partir de 1533, quando Catarina de Médicis desembarcou no porto francês de Marselha para se casar com o futuro rei Henrique II, que a culinária tomou a forma como a conhecemos hoje. No dote de casamento que a italiana levou para a França havia livros de receitas e um séquito de cozinheiros. Além deles, a jovem apresentou à corte novos hábitos, como abrir os banquetes à participação feminina, e introduziu regras de etiqueta e o garfo de dois dentes (antes não havia garfos na França), além de transportar a sobremesa para o fim da refeição.
Graças a Catarina, a sobremesa passou a ser considerada parte importante de uma refeição e até hoje ocupa tal status. "Ela fecha o almoço ou jantar com chave de ouro", afirma o chef confeiteiro Fabrice Le Nud, que trouxe para São Paulo alguns dos mais tentadores exemplares da pâtisserie francesa.
A tradição
Em uma refeição especial não pode faltar sobremesa. É o momento mais esperado por todos e sempre memorável. "As pessoas se lembram com mais facilidade da sobremesa que do salgado. Começam a descrever como o jantar foi bom falando da sobremesa", afirma o chef Emmanuel Bassoleil. Nosso país, por exemplo, sempre foi famoso por seus doces melados, que pedem um enorme copo d'água após serem consumidos.
Mas qual o motivo de tanta doçura por aqui? A abundância de açúcar no Brasil colonial. "A farta produção açucareira que era levada para Portugal permitiu que os portugueses consumissem largamente o açúcar, até de maneira abusiva, disseminando esse hábito por aqui", afirma o professor de história da Universidade de São Paulo.  Em muitos países come-se sobremesa, mas não tão açucaradas quanto aqui" .
Imagem: Google Images

2 comentários:

Lisete disse...

Gostei de saber a história da sobremesa. Obrigada. Não deixo de ler as publicações do blog. Lisete.

Rosa disse...

Essa Catarina sabia das coisas, hein?! Nada como uma boa sobremesa para coroar uma refeição.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails