domingo, 13 de setembro de 2015

... Sintomas,Estatísticas, Prevenção e Tratamento ...

Como prometido, retorno para relatar minha descoberta e tratamento de câncer de cólon, estágio IV, com metástase no fígado, pulmão e linfonodos.

Relatei minha angústia para conseguir um diagnóstico, já que sofri durante muito tempo com dores e sem saber o que era. Houve erro médico sim, mas não tenho nenhuma intenção de entrar com processo ou nada do tipo. Nada vai trazer minha saúde de volta ou o tempo perdido. Por isso quero seguir em frente e desejo que não aconteça com outras pessoas.

Muita gente me pergunta sobre os sintomas e infelizmente no meu caso eu não tinha, sentia dor na região da pelve (uns três dedos abaixo do umbigo) e na parte de trás (uns três dedos acima do bumbum). No entanto, geralmente os sintomas são: sangramento nas fezes, sangramento anal, cólicas e gases, diarreia e prisão de ventre, sensação de intestino cheio mesmo após a evacuação e esforço para evacuar sem conseguir. Papinho eca né?! rs...

O câncer de cólon, se tratado precocemente, como a maioria, pode ser tratado e curado. É muito comum no Brasil. As estatísticas mostram que é o terceiro tipo de câncer mais comum entre os homens e é o segundo tipo de câncer mais comum entre as mulheres.

Só neste ano, 2015, a expectativa é de que 15.070 homens e 17.530 mulheres sejam diagnosticados com câncer de cólon e reto no país. Assustador né?!

Para você entender um pouco melhor, a maioria dos tumores vem dos pólipos, que são lesões benignas que podem crescer na parede interna do intestino grosso. Daí a importância de fazer o exame de colonoscopia, onde os pólipos podem ser detectados antes mesmo de se tornarem malignos. Geralmente os médicos pedem o exame a partir dos 50 anos, quando a pessoa está com sintomas da doença ou também nos casos de hereditariedade.

Os fatores de risco são: histórico familiar de câncer colorretal, ter já retirado ovário, útero ou mama, doenças inflamatórias do intestino, baixo consumo de cálcio, sedentarismo, obesidade e alto consumo de carne. Vou dizer que essa parte de alimentação eu não acredito muito, pelo menos no meu caso tenho certeza que não foi. Eu antes de ficar doente, ou melhor, antes de descobrir a doença, era ovolactovegetariana há 16 anos, ou seja, não comia nenhum tipo de carne ou derivados, só consumia leite e ovos. Então, foi hereditário com certeza. Podia herdar tanta coisa, dinheiro, bens... fui logo herdando os genes ruins, rs...

A prevenção é sempre aquele papo de boa alimentação, no caso uma dieta rica em vegetais e laticínios e pobre em gordura. Praticar exercícios. Fazer exames regularmente. 

No caso de ser colhido material no exame, será necessário uma biópsia. Assim que detectar o tipo de câncer, a exata localização e se é o câncer primário, o seu médico vai optar por um determinado tratamento. Pode ser cirurgia, quimioterapia, radioterapia e terapia biológica.

Logo quando fui diagnosticada, a preocupação da minha família era se onde moro (Vila Velha/ES), teria o melhor tipo de tratamento. Enviamos todos meus exames para meu primo (Paulo querido), que trabalha no INCA (Instituto Nacional de Câncer - RJ) e muito solícito levou para um médico de lá analisar. Fomos orientados que o mesmo tratamento eu faria aqui, já que os médicos se utilizam do que chamam de "protocolos", que era para eu ficar tranquila, até porque minha médica (Dra. Layla) era bastante atualizada, sempre participando de seminários nacionais e internacionais. Em falar na minha médica, só tenho que agradecer a ela, sua equipe, as enfermeiras, as recepcionistas, a Janine (nutricionista) e Priscila (psicóloga).

Eu já passei por quatro tipos de quimioterapia. Cada uma delas me dava reações como: inchaço, dor de cabeça, enjôo, vômito, diarreia, prisão de ventre (devido a morfina), mudança de cor nas unhas, pele, perda de cabelo, falta de saliva, feridas na boca, formigamento e dormência nas mãos e pés. Uma medicação eu não podia tomar nada gelado, o que nas outras era um alívio. Quando tomava algo gelado, dava tipo choque na garganta e nas palmas das mãos. Devido a cirurgia que fiz para a biópsia, acabei ganhando uma hérnia que me incomodou até meses atrás, quando retirei em uma outra cirurgia. 

Além das reações, também sofri com insônia, e agora estou no oposto, dormindo horrores. Antes conseguia comer, agora com essa nova, quase não consigo comer. Estou mais à base de suplementos. Impaciência, irritação, sensibilidade a claridade, barulho... tudo isso também devido a outros medicamentos que tomo, e são inúmeros. Para dor tomo morfina, cetoprofeno, buscopan e dipirona sódica. Para enjoo e vômito tomava um rosinha que colocava em baixo da língua e que agora esqueci o nome, mas atualmente não consigo mais tomar, porque o gosto docinho dele passou a me enjoar, rs... Então agora para enjoo tomo dramin, mas já fiz associação com outros. Tem os remédios para poder ir ao banheiro, tem os para parar de ir ao banheiro (é 8 ou 80). Para dormir, quando estou na fase insone, tomo rivotril. Além disso tomo duas injeções por dia para evitar trombose, e aí está um assunto que preciso muito falar.

Além das reações devido aos medicamentos, nós, pacientes, somos instruídos a evitar locais fechados, abafados, tudo para evitar pegar algum resfriado ou doença contagiosa, visto que nossa imunidade está baixa. Devemos evitar qualquer entrada para bactérias, tomando cuidado com cortes e machucados. Por isso somos orientadas a não retirar cutícula das unhas, não passar sempre fio dental (o sangramento é maior), não passar por procedimentos que possa causar sangramento, como alguns procedimentos dentários. Meus dentes ficaram bem sensíveis e acabei tendo que pedir autorização da minha médica, que parou uns medicamentos antes e prorrogou a data da quimio. Por isso é tão importante fazer o exame de sangue antes de cada quimio, para analisar se o número de plaquetas está bom. Caso contrário, a quimioterapia é adiada. Então é fundamental manter as taxas sob controle, e isso se dá através da boa alimentação. Taxas ruins significam pausar a quimioterapia = falta de controle da doença.

Para fazer o exame de sangue é uma tortura para muitos pacientes, já que nossas veias ficam ruins, como as enfermeiras falam, as veias secam, rs...  Eu faço sempre no mesmo local (Laboratório Pretti). Lá sou bem atendida (virei freguesa vip, rs...) pela Diana e a Adriana que tem mãos de fada. Na verdade, todas as meninas são profissionais e gentis. Quando sumo elas me ligam para saber se estou bem (fofas, né?).

Já quando tenho que tomar medicação venosa, em dias que a morfina em comprimido não está dando conta, vou para o pronto socorro e passo um perrengue danado. Quando sou internada não, porque vou para o hospital que a equipe da minha médica trabalha, Lá, eles utilizam meu catéter, então não sofro tanto. Em falar em catéter, se você vai ter que passar por um período considerável fazendo o tratamento, super indico e recomendo que você peça para colocar catéter. É um procedimento cirúrgico, mas você não sente nada e depois compensa, já que não vai precisar ficar sendo furada toda semana, ou em alguns casos, todos os dias.

Tenho como obrigação também, alertar sobre alguns direitos que os pacientes com câncer possuem. O primeiro deles é o auxílio doença, que posteriormente poderá virar aposentadoria por invalidez. Sim, sou aposentada. Ninguém merece! Outros direitos como sacar FGTS, PIS/PASEP, isenção de IPVA e IPI na compra de automóvel, isenção de IPTU dependendo de onde mora, quitação de financiamento da casa própria, isenção de imposto de renda, prioridade no andamento de processos, direitos relacionados ao tratamento pelo SUS (utilizo plano de saúde, então não sei muito), gratuidade em transporte (verificar sua cidade), obtenção de cartão de deficiente físico para ter prioridade em vagas de estacionamento, etc... Caso precise do número da lei ou alguma informação do tipo, é só perguntar nos comentários abaixo do post, ou me envie um e-mail: epcabral@uol.com.br

Recomendo que faça uma pesquisa sobre seu tipo de câncer. Existem muitos sites confiáveis e cheinho de conteúdo. Vale manter um diálogo franco e aberto com seu médico. Pergunte, tire todas suas dúvidas. Afinal, estamos falando do seu maior bem: sua vida.

... Continua ...

Confira postagem sobre Dicas alimentares para pacientes com câncer.

5 comentários:

Raquel Alves disse...

Nane, tô achando lindo e corajoso seus textos. Estou curtindo muito vc usando a sua história para alertar a todos. Um grande beijo. Raquel

Raquel Alves disse...

Nane, tô achando lindo e corajoso seus textos. Estou curtindo muito vc usando a sua história para alertar a todos. Um grande beijo. Raquel

Valeria Cabral disse...

Achei maravilhosa essa sua iniciativa de falar sobre a doença. .. imagino o quanto vai ajudar inúmeras pessoas.... Te amo, irmã! E sinto MUITO orgulho de você!

Anônimo disse...

ola. Sou sua leitora ha anos, embora comente pouco. Obvianmente, ja havia percebido sua doença atraves dos postes anteriores e torço muito por voce e a incluo em minhas oraçoes. Sou enfermeira e o que voce relata e, de fato o que acontece neste nosso pais em termos de diagnostico. Seus textos estao muito bem escritos e podem e tenho a certeza de que vao elucidar muitas outras pessoas. A materia e bastante didatica e esclarecedora. Parabens e obrigada por compartilhar sua experiencia e ser este exemplo de luta. Forte abraço
MCelia

Acacia disse...

Um exemplo de doçura!!!! Um privilégio em ser sua amiga!!

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails